Páginas

domingo, 12 de outubro de 2014

Eleitores da Dilma, qual é o problema de vocês?




Ainda que tudo, absolutamente tudo que aparece na propaganda do PT não fosse tão-somente propaganda, seria preciso grande poder de abstração para votar em Dilma Rousseff.
Toda e qualquer argumentação em favor do voto em Dilma esbarra no fato simples e incontestável de que ela não sabe falar. Não me refiro a erros gramaticais ou equívocos semânticos. Isso eu, você, o Lula – especialmente o Lula –, enfim, todos nós cometemos. Refiro-me à comunicação mais básica, simples e direta possível. Quando fala, dona Dilma parece uma mistura do E.T. do filme com um índio em recente contato com a civilização, após abusar do cachimbo da paz.
Se o indivíduo não apresenta nenhuma deficiência fonoaudiológica e, ainda assim, é incapaz de comunicar-se da forma mais elementar possível, resta claro que sua deficiência é mental. Os deficientes mentais devem ser tratados com amor e respeito, mas isso não significa que devemos ceder-lhes cargos por pura compaixão. “Oh, pobrezinha, não sabe comunicar-se... Vamos fazê-la presidente da República, para compensar seu sofrimento mental.” Não!
De burro, ingênuo, cúmplice, quadrilheiro em potencial e sociopata todo esquerdista tem um pouco. Já a deficiência mental meramente neurológica não é tão recorrente. Bem é verdade que a longa e continuada exposição às inversões psicóticas do esquerdismo podem, sim, prejudicar a saúde mental. Contudo, Dilma Rousseff, infelizmente, está em outra categoria. Ela não é apenas o resultado da psicopatia esquerdista, como o são os pretensos heróis José Dirceu e José Genoíno, por exemplo, ou como o é Lula, que se vangloria de ser analfabeto e se compara a Jesus Cristo. Como petista, Dilma abunda em defeitos éticos e morais, mas seu principal problema é cognitivo – e aí não há retórica que defenda.
Sinto até alguma pena de Rousseff. Só não me dôo em comiseração por que ela é descarada o suficiente para achar que pode liderar qualquer coisa. A estupidez pode ser inata, mas abusar dela é uma opção – e Dilma não respeita suas limitações. Mesmo após falir uma lojinha de R$ 1,99 (no auge desses empreendimentos), aceitou candidatar-se ao cargo máximo da nação. E agora se candidata à reeleição.
Da minha parte, rogo por urgentes medidas sanitárias. Que nossos impostos sirvam para amparar os hipossuficientes e incapazes, como Dilma Rousseff. Falo sério, de coração na mão. Que deficientes mentais sejam tratados devidamente, mas sem exageros, fora do gabinete da presidência da república.
Por fim, aos eleitores de Dilma, só me resta perguntar:
QUAL É O PROBLEMA DE VOCÊS?
OK, em 2010 vocês votaram nela sem saber muito bem o que estavam fazendo, ou mesmo por indicação de Lula, que é eficiente em fazer de conta que serve para alguma coisa.
Mas, agora, em 2014, vocês seguirão votando nela? Depois de passarem quatro anos ouvindo essa triste figura parindo uma bigorna a cada vez que tenta formar uma frase? Depois de tanto tempo de exposição a esse teatro do absurdo, que mistura populismo, demagogia, psicodelia e dislexia free style?
O Lula era um gerador permanente de equívocos administrativos e políticos, mas é dono de um carisma e de uma lábia que me fazem admitir que alguém se deixe enganar. Já a Dilma, pô, a Dilma não termina uma frase sem me fazer ter vontade de chorar – de pena (dela e do Brasil) e de desespero.
Poderia argumentar muito mais, mas, parafraseando Paulo Francis, a melhor propaganda anti-Dilma é deixar a Dilma falar (lista feita pelo site Spotniks – lá tem muito mais):

“Eu estou muito feliz de estar aqui em Bauru. O prefeito me disse que eu sou, entre os presidentes, nos últimos tempos, uma das presidentes, ou presidentes, que esteve aqui em Bauru.”

“Eu ontem disse pro presidente Obama que era claro que ele sabia que depois que a pasta de dente sai do dentifrício ela dificilmente volta pra dentro do dentifrício. Então que a gente tinha de levar isso em conta. E ele me disse, me respondeu que ele faria todo esforço político para que essa pasta de dente pelo menos não ficasse solta por aí e voltasse uma parte pra dentro do dentifrício.”

“Eu quero, então, voltar aonde eu comecei. Eu vou falar agora que aqui tem 37 municípios. Eu vou ler os nomes dos municípios, porque eu acho importante que cada um de vocês possam (sic) se identificar aqui dentro e, por isso… Eu ia ler os nomes, não vou mais. Por que não vou mais? Eu não estou achando os nomes. Logo, não posso lê-los.”

“Eu vi. Você veja… Eu já vi, parei de ver. Voltei a ver e acho que o Neymar e o Ganso têm essa capacidade de fazer a gente olhar.”

“Na Ucrânia pagam 13 dólares o… o milhão de BTU. Mas.. 4 pra 13 dá sete.. pagam… quanto é que paga? Depois do furacão.. (uma alma caridosa grita: nove). Aliás 4 pra 13 dá 9.. eu tô pensando no furacão Ka.. o furacão não.. em Fugujima (sic)… Como é que chama.. no Japão.. O tsunami…”


Um comentário:

  1. Não sei se sinto pena dela ou dos que votam nela ou dos que não votam nela e são obrigados a aguentar isso pela incúria dos que votam nela.

    ResponderExcluir