Páginas

quinta-feira, 15 de abril de 2010

A Farsa do Planeta

Foto que comprova que a Terra está aquecendo por culpa dos homens e de suas máquinas, assim como no fim da Era Glacial.



Ela chegou: A HORA DO PLANETA! Hoje, às 20h30min!

Sábado, 28 de março de 2009, às 20h30.
O WWF-Brasil participa pela primeira vez da Hora do Planeta, um ato simbólico, que será realizado dia 28 de março, às 20h30, no qual governos, empresas e a população de todo o mundo são convidados a apagar as luzes para demonstrar sua preocupação com o aquecimento global. Participe! É simples. Apague as luzes da sua sala. (http://www.wwf.org.br/informacoes/horadoplaneta/).

Comovente, não? A começar pelo fato de que, a julgar por sua eloqüência e sintaxe, essa nota foi escrita por uma criança de dez anos – mostrando que o movimento respeita a opinião dos mais novinhos. Ademais, quem seria louco de criticar uma ação tão bem-intencionada como essa? Portanto, vejamos quanta gente bacana aderiu a esta causa (http://www.wwf.org.br/informacoes/horadoplaneta/videos_horadoplaneta/): Camila Pitanga, Victor Fasano, Luciano Huck, Fernanda Keller, Sergio Maroni, Eduardo Moscovis, Lulu Santos… Lindo, não é? É de gente assim que nosso Brasil precisa! 

Evidentemente que a classe política e o setor privado, bem-intencionados que só vendo, entrariam nessa – vejamos a lista de apoiadores (http://www.wwf.org.br/informacoes/horadoplaneta/noticias/?18960/Quem-j-aderiu):

• 101 cidades – dentre as quais, grandes capitais, como Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e São Paulo;

• 990 empresas, desde pequenos empreendimentos, como a Assoalhos São Bernardo (assoalhos de madeira, que horror!), até as maiores empresas em suas áreas, como o Banco do Brasil, passando por diversos grandes grupos, corporações e afins;

• 484 organizações – desde a eminente Associação dos Boêmios de Juazeiro do Norte, passando pelo Clube das Gurias (um PUTA apoio!!!), até grandes Universidades e associações minoritárias representantes de minorias.

Quanta gente engajada, não? Evidentemente, quem não quer ter sua imagem atrelada a tão bela iniciativa? Entretanto, A HORA DO PLANETA nos leva a uma série de considerações.

O mercado que mais cresce no Brasil, por certo, não é o de serviços, nem o de cosméticos, nem de alimentos, ou de automóveis, ou qualquer outro mercado convencional: é o mercado das boas intenções. É certo que delas o inferno está cheio. Pois bem, o inferno é aqui.
Estima-se entre 250 000 e 275 000 o número dessas entidades no país, 100.000 das quais atuando na Amazônia. Há 700.000 índios no Brasil, talvez uns 600.000 naquela região. Se todas cuidassem dos nossos bons selvagens, teríamos seis índios para cada ONG: daria para fornecer casa, comida, roupa lavada e pós-doutorado. Mas algumas, sei, cuidam de outros assuntos: o minhocuçu, o sapo-gigante, a aranha-armadeira, os bagres… Você só escapará de ser sufocado pelo amor de uma ONG se for o verdadeiro negro do mundo: bípede, branco, macho, heterossexual e católico. Fora disso, basta erguer a mão ou aprender a guinchar, e aparecerá uma multidão para protegê-lo.”(Reinaldo de Azevedo, em ONGs do fim do mundo: http://veja.abril.com.br/180608/p_112.shtml.)
De fato, se cada uma das 100.000 ONGs que atuam na Amazônia se ocupasse de 6 índios, estes não mais precisariam se vestir apenas com calçõezinhos da Copa de 1962 e já teriam aprendido que não há idiossincrasia que justifique o infanticídio.

Tem ONG para toda sorte de causa; e talvez seja esta WWF, a da “Hora do Planeta”, a mais, digamos assim, rentável de todas. Suas inserções comerciais em televisão em horários nobres, suas bem-elaboradas e divulgadas peças publicitárias e seus garotos e garotas-propaganda não deixam dúvidas disto. Afinal de contas, qual empresa não quer ter sua imagem vinculada a campanhas ecológicas? Claro, a julgar pelos parceiros da WWF, há de se pagar [muito] bem por isso. Enfim, independentemente da causa e de suas justificativas, válidas ou não, o pessoal da WWF e todas as outras ONGs brasileiras partem de premissas, no mínimo, interessantes: criam entidades tributariamente isentas, com uma imagem automaticamente positiva perante o grande público e lucram muito mais do que grande parte das empresas sérias e idôneas do país – seja pelas parcerias com as grandes empresas, seja pelos incentivos financeiros portentosos que recebem do governo. Aliás, eis uma defecção no mínimo absurda: Organizações NÃO-GOVERNAMENTAIS que se sustentam, entre outros meios, com incentivos GOVERNAMENTAIS. Só no País de Todos.

“Só a gente tem jabuticaba. Só a gente tem uma pororoca verdadeiramente amazônica. Só a gente tem índio que compra facão em supermercado em nome das tradições dos ancestrais” (Reinaldo de Azevedo).

As ONGs que têm prosperado como-nunca-antes-na-história-deste-país se concentram no “setor ecológico”. E aí entra essa idiotice, essa patacoada, essa malandragem dessa Hora do Planeta. Você defende essa idéia? Você acredita que temos que agir urgentemente para reverter as mudanças climáticas? Você vai apagar as luzes neste sábado? Pois tenho um segredo para contar: até que se prove o contrário, O AQUECIMENTO GLOBAL EM DECORRÊNCIA DA AÇÃO DO HOMEM É UMA FRAUDE! É FRAUDE! Tão fraude quanto o é a imensa maioria dessas ONGs e suas causas politicamente corretas. Tão fraude quanto essa infâmia dessa Hora do Planeta. E é fraude pelo simples fato de que não foi provado que as mudanças climáticas que ocorrem no planeta decorrem da influência humana. “Absurdo!”, deve estar pensando o companheiro engajado e a favor da preservação da natureza. Pois procure, vasculhe onde você quiser, e não encontrará nada, nada além de suposições, probabilidades, bravatas e falácias daqueles que defendem a idéia de que o aquecimento global é culpa nossa.

Por favor, pesquise a fundo. Talvez encontre algo como o excelente documentário do Canal 4 britânico (http://www.channel4.com/science/microsites/G/great_global_warming_swindle/index.html), que afronta o discurso dominante e alarmista de que as alterações climáticas são causadas por ações humanas. Nesse material, cientistas e especialistas no tema apresentam como principal causa das mudanças climáticas as alternâncias da atividade solar. Por óbvio, é uma teoria. Entretanto, assim como outras diversas teorias e suposições que contrapõem os ecoterroristas, jamais é levada ao debate, que é limitado às suposições daqueles que acham que deixar a luz do quarto ligada por mais de dois minutos vai matar uma andorinha-do-papo-amarelo no Zimbábue.

Sabemos que apenas a Terra é habitada por seres humanos, certo? Então há algo de muito estranho em Plutão e em Júpiter, que têm apresentado variações climática significativas em suas atmosferas, em decorrência de fenômenos naturais (http://www.space.com/scienceastronomy/pluto_warming_021009.html e http://www.space.com/scienceastronomy/060504_red_jr.html). Mais: a National Geographic News (http://news.nationalgeographic.com/news/2007/02/070228-mars-warming.html) publicou relatório em que afirma que os aumentos das temperaturas da Terra e de Marte são evidências das conseqüências das elevações de radiações proveniente do Sol, cuja temperatura está cada vez mais alta. Imagino, então, que desligar a geladeira e utilizar um isopor ecológico não fará com que o Sol esquente menos.

Sobre o alarmista IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change), que vem a ser a principal referência de quem vai apagar as luzes na Hora do Planeta, temos um bom resumo, por parte do Presidente da República Tcheca, Vaclav Klaus (http://www.usatoday.com/weather/climate/globalwarming/2007-02-01-ipcc-report_x.htm):
O aquecimento global é um falso mito como dizem [já] muitos cientistas e pessoas sérias. Não é correto consultar o IPCC. O IPCC não é uma instituição científica: é uma organização política, uma espécie de organização não-governamental de cor verde. Não é um fórum de cientistas neutros nem um grupo equilibrado de cientistas. São cientistas politizados que obtêm notoriedade a partir de uma opinião preconceituosa e um objetivo pré-definido. Outros políticos de alto nível não exprimem as suas dúvidas sobre o aquecimento global por que a disciplina politicamente correta estrangula-lhes a voz.
Sábio Vaclav. Experimente duvidar em público da gravidade do aquecimento global. Coloque-se, então, no lugar de um governante. Não é nada popular duvidar das probabilidades-suposições-faz-de-conta-quem-sabe-depois-confirmamos que versam sobre as mudanças climáticas como decorrência da ação do homem.

Se, ainda assim, neste sábado você vai acompanhar o Luciano Huck e o Lulu Santos e apagar as luzes de sua sala, tudo bem, a subserviência tem de ser respeitada. Entretanto, depois da Hora do Planeta, ligue seu computador e pesquise bem acerca do tema. Não é saudável, nem ecologicamente correto, aderir a uma idéia só porque ela soa bem, é pretensamente bem-intencionada e lhe confere status de cidadão consciente – ainda que você não saiba do quê. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário